IMMA - Insígnia Mundial de Meio Ambiente



1. CONSIDERAÇÕES

Na IMMA os objetivos são adequados às faixas etárias dos Ramos. É exigido que o jovem tenha um entendimento cada vez mais amplo sobre o mesmo tema.

Até 11 anos exige-se apenas explorar e demonstrar certo nível de conhecimento dos temas. Nas faixas posteriores, exige-se saber mais sobre esse tema e conhecer como este interfere em níveis cada vez mais amplos.

Muitas vezes, surgem dúvidas se uma determinada atitude é mais adequada do que outra, por exemplo: “o que é melhor? Usar copos descartáveis ou copos de vidros?” Para se ter certeza se uma prática é realmente ecologicamente correta, são feitos cálculos complicados com ferramentas como as Análises do Ciclo de Vida, que levam em conta o impacto ambiental provocado desde a produção do bem até o momento em que é descartado, ou seja, “do berço ao túmulo”.

O membro juvenil deve incorporar no seu comportamento do dia-a-dia alguns princípios básicos como a importância da reciclagem, acampar sem destruir, etc. É importante que a Seção adquira, aos poucos, uma consciência ambiental, um conhecimento mútuo do que sejam as “melhores práticas”, buscando sempre aprender e questionar o que é divulgado e depois aplicá-las.


2. COMO CONQUISTAR A IMMA


2.1 Aplicação da IMMA

Na Parte A, o chefe responsável pela Seção deve APENAS promover atividades (como aquelas sugeridas no Guia da IMMA) que levem os membros juvenis a “EXPLORAR E REFLETIR”, no seu ambiente local, cada um dos 5 objetivos:

1. ar e água;
2. habitats e espécies;
3. substâncias perigosas;
4. melhores práticas ambientais;
5. riscos ambientais e desastres naturais.


Utilização do Quadro de Objetivos: as Atividades Principais do Guia da IMMA foram elaboradas para cumprir os objetivos propostos no Quadro de Objetivos. Entretanto, o Quadro de Objetivos NÃO deve ser confundido com o Quadro de Tarefas. Estes são Objetivos Educacionais para orientar o chefe na avaliação das atividades das quais o jovem deve participar.

A Parte B, ou seja, “FAZER ALGO”, permite ao membro juvenil identificar os problemas locais e compreender a ligação entre os níveis local e global. Planejar e implementar um projeto, que deverá ser monitorado, avaliado e melhorado através de ações futuras.


2.2 Avaliação da IMMA

Ao final das etapas A e B, sugerimos que, para considerar-se merecedor da IMMA, o membro juvenil tenha seu comportamento em relação ao meio ambiente submetido à ROCA DE CONSELHO ou CORTE DE HONRA. Estes emitirão uma DECLARAÇÃO em que atesta que o postulante “demonstra, no dia-a-dia, que compreende, conforme seu grau de maturidade, a importância de adotarem-se as melhores práticas para o meio ambiente, participa das ações coletivas e cumpre suas tarefas individuais”. É necessária a mediação equilibrada do chefe, visto que os órgãos de administração formados pelos jovens  podem ser excessivamente duros, às vezes.

A IMMA será essencialmente prática, privilegiando o “FAZER ALGO” da parte B.


3. NORMAS DE CONCESSÃO E UTILIZAÇÃO DA IMMA

Uma vez concluídas as tarefas que compõem a IMMA e emitida a declaração do órgão de administração competente, o chefe de Seção propõem à Diretoria do Grupo a concessão. O certificado, assinado pelo Diretor Presidente será entregue pelo Chefe da Seção junto com o distintivo.
O distintivo da IMMA deverá ser utilizado acima das estrelas de atividade.
Ao mudar de Ramo, o membro juvenil deverá conquistá-lo novamente, pois os objetivos são tratados com complexidade sucessivamente maior e as cores dos distintivos são específicas dos Ramos.  Ao passar para o novo Ramo os jovens poderão continuar usando o distintivo conquistado no Ramo anterior, até ser substituido pelo que lhe é oferecido no atual Ramo, ou ao deixar este Ramo.

Clique para ver o Quadro de Objetivos da IMMA


Comentários

Postagens populares